sexta-feira, 24 de setembro de 2010

híbrida

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Referência Viva

: janelas patentes em transparências de caudal dourado
espontâneas como palavrões, entre as palavrinhas do dia-a-dia, de quem vive para o trabalho dias a fio.
Sem fio, na outra margem, algo nasce, renasce, nunca morre – escorre teimoso e inesgotável
[nunca igual] nas escadarias
ou nos improvisos de neblinas a horas fátuas de sol
(tão incompreensíveis para os poetas laboratoriais)
[sempre igual] nas façanhas e nos gestos límpidos e obstinados
que acreditarão sempre, sempre na bonomia
oculta pela aspereza da pedra azul
(afinal, humilde como o desabrochar das dálias).

De súbito, o tempo deixa de ser um conjunto de casas desalinhadas
– organizam-se proletários casarios, capelas, confrades, areais limpos, olhares que riem, um pôr-do-sol na transição para uma qualquer rua sem carros
[o tempo é um pincel orgânico em movimento]
afoito como o menino que brinca e cai ao poço e, desde então,
escuta do seu fundo, apenas para melhor auscultar os elementos
e uma certa Rosa que (sem dia-não) lhe ditam as tintas
directamente ao [centro].

Mas tem saudade-de-si, das suas próprias referências
: a bola de trapos, as sameiras, o peão e o carolo,
as cordas da roupa e as pias com plantas por cima e a
mãe a cantar;
agora, pinta-as com a mão direita
(a mesma destreza ao encestar com a esquerda)
e vai à escola, onde o escutam com olhos de ver
– o mesmo sol, a mesma vertigem
que regista, escrivã do espaço, tempos de África às Américas.

E dilatam-se-lhe as pupilas, para melhor o adentrarmos
rumo às memórias, até ao instinto.
Assim são as referências vivas, movidas a luz própria
sem época, desbravando a sua própria escuridão
; esta é Pai e é Filho da cidade, de um país
retrata-os intimamente, do ventre, com olhos de mundo
eles são a sua cama e a sua prole
esperma-óvulo concebido em ateliers a céu aberto
erários a cores por “dez réis de mel coado” – diáfanas incongruências que nos prometem a pincelada ad aeternum
aquela que nos embarca em perspicuidades reverenciais.

Na precariedade,
a desprendida emoção de ser criador à sua escala
: em directo, sem grafite e sem borracha
– o Milagre da Multiplicação do Amor


Suzana Guimaraens

domingo, 19 de setembro de 2010

korny-lethal-happy-ending in Jerusalem

(gritando para o minarete) Senhor, viu uma bomba passar por aqui? (falando) E o senhor padre, viu?... Alguém tem de a parar! Ela não tem culpa, foi ensinada a ser assim... “Esperar na rua – por que não?”, pergunta o senhor rabino? E viver de esmola é essa a sua sugestão? Se pressentisse uma bomba em casa, iria lá para fora, assim, sem hesitar? Os seus retratos, a sua Tora, talvez; mas a sua dignidade também é coisa a despejar? Eu sou viúva e tenho uma bebé e um pai doente em casa, senhores, e não tenho p’ra onde os levar. E não é terramoto, nem furacão; é apenas uma bomba que se pode desensinar. Haverá igreja, mesquita ou sinagoga que a consiga converter? (silêncio sepulcral) Senhores, vou para casa contar-lhes de uma bomba que se tornou pomba e dos nossos quatro corpos misturados a ascender…


Suzana Guimaraens

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Transpiras flores

Transpiras flores
nos vasos de minha casa

de asas voltas-te a nascente
sem rosa dos ventos
e aspiras inquieto à chuva dos meus olhos em botão

cristais sem arestas germinam
e [curvilínguo] plantas-te nas minhas persianas líquidas
como aquelas orquídeas que nascem no tronco das árvores


Suzana Guimaraens

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Passas

Passas pela vida das pessoas
– Húmus e chuva em ebulição
Erecção-semente, com uma ténue ponta de afeição –

Passas pela vida e pelas pessoas
Que, estou em crer, não terão bem a noção
Que lhes fecundas os utensílios
Que lhes fertilizas a inquietação
Que as fazes aceder ao formigão donde não podem regressar

Passas e não sei se se apercebem
Ou apenas o não querem admitir
Que lhes instalas o Desassossego
O adubas como um cego
E [assobiando]
Desvaneces-te a seguir.


Suzana Guimaraens

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

"Spiegel Im Spiegel"

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

23:23 traducido para Castellano

De pie, jadeante, aparecí en la punta de la pasarela, perpendicular a la playa.

Me adentré, paulatinamente, en el arenal hasta las espumas y las estrellas exprimidas,

sin luz de luna a la vista.



En flash, evoqué cómo de niña (e incluso de adolescente),

durante el viaje de mañana en autocarro a la escuela,

me apetecía abrazar todo el paisaje que los ojos lograsen alcanzar

y me daba vergüenza que me leyesen los sentimientos en aquel mirar aéreo y excessivo.



Allá, en la pasarela, no fue mi pequeñez,

frente a la (in)finidad de aquel océano y firmamento,

lo que me rescató

: fueron las respiraciones completas [simultáneas] con todo lo que allí respiraba.

Inmiscuida y simbiótica respiraba.



Me reerigí

―Órgano de la Paz―

perpleja, diáfana, incomensurable,

mucho más allá de las vigas de madera que parecían sosternerme los pies.



Y debo de haber sido feliz, porque no tengo recuerdo de SER tan enteramente libre,

libre hasta de mí,

sobre todo cuando, súbitamente, comprendí que aquel

Silencio

de brisa en blandas olas nocturnas y aromas a flora de dunas primaverales

era, al cabo, tan importante y pleno de budeidad

como el trash-metal, tumba que dale toda la tarde, del vecino del primero.



Suzana Guimaraens


(Trad.: María Alonso Seisdedos)

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Há quanto tempo te esperas?























(Estação de S. Bento - Porto)

contador gratis