quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

Let's

Reflectir. Porque Natal e Carnaval são todos os dias. Porque “nada se cria, nada se perde”, tudo se interliga. Porque umas pessoas parecem que se vão, mas ficam mais do que nunca. Porque outras parece que aparecem, mas sempre estiveram. Porque eu posso renascer sempre que eu quiser, mas preciso de rituais. Porque eu sou um ser humano e esta noite vou usar cuequinha cor-de-rosa nova, sim senhoras e senhores… Porque, embora a minha vida apenas comece aos 38 - o mais tardar - eu já ressuscitei há milénios. E 2010 não será um ano qualquer, nem mais um ano. E não é para se ter medo dos relâmpagos, nem dos ventos, nem dos movimentos das placas tectónicas. É, repito, para se sorrir em tempo real. Que é [o tempo que fazemos].
Agora, sim, “let’s dance!”...

terça-feira, 29 de dezembro de 2009

sábado, 26 de dezembro de 2009

sem título

Simon est mort
Simon está muerto
Simon is dead

e não terá sido inédito: leucemia rimou com pneumonia
enquanto ele ia; todavia, não devia, que bem o sabia
porque a saudade da companhia certa faz, por vezes, tocar à campainha errada
e parecem meras letras escritas em cima da cabeça,
porém é essa a ilusão

e os corrompidos até poderão esfregar as mãos pelo seu pretenso silêncio
e o cabelo dela ainda ondular no ar depois desse gesto hierático
– como um berilo –
e até o teclado apoderar-se do pó e da cinza,
mas é a saga da ilusão
porque os corrompidos não entenderam que o seu rouge é de longa duração
(como as pilhas de alguns gatos)
assim como não compreenderam que
a liberdade foi a prenda que ele se ofereceu neste Natal
e a ela
uma liberdade por embrulhar
por ser [demasiado exacta]
daquelas que aliciam a continuar jornadas
(na sua pretensa ausência)
para que ela acreditasse na presença deles
e na nossa
bem como nestas palavras

: que ele sempre soube que ninguém precisava de ninguém para se proteger,
mas havia palavras por dizer que foram ditas
– como águas-marinhas –
palavras que fizeram vidas
e mais palavras que atestaram outras
que irão continuar
e agora
Simão morreu,
mas não é a morte:
“é a vida!”
e a vida não é [Coisa] para chorar


Suzana Guimaraens

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

:-)
























A Rita foi das minhas primeiras bonecas.
Há dias partiram-lhe, sem querer, o braço esquerdo, mas já está como nova e com uma cicatriz para contar a história.
A estrela de latão fui eu que a fiz para enfeitar a toca. Só me sobraram mais duas; mas, no conjunto, é mais do que o suficiente.
Nesta quadra, a Rita chama-se Mãe do Mundo e a estrelinha é a sua mensagem que nos diz que não precisamos de ter frio, nem ter esperança - apenas [deixar] a alma sorrir em tempo real.
Felizes [todos os] dias...

domingo, 20 de dezembro de 2009

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

"Oui, c'est moi..."

Pois...

Também peço cada coisa :o)

Poemas com a palavra "pedra(s)"! Tssddt! Como se as pessoas não tivessem mais nada para fazer...
Como se alguém viesse a este blogue perder tempo! *Ai ai*

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Precisa-se

Precisa-se de "poemas com pedras" para aqui:

http://www.pedrassuspiram.blogspot.com/


Aberto o casting a partir de... Agora :-)

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Perco a coragem

- Preciso expandir-me, aperfeiçoar-me...
- O Universo também.
- ... mas, por vezes, perco a coragem...
- Assim, o Universo também perde.
- E quem sou euzinha para influenciar o Indescritível?
- És um coração dentro de um coração dentro do coração de um só Organismo - o teu - que se quer maior e mais perfeito.
- "Assim na Terra como no Céu"?
- Sempre assim foi - mas parece que, por vezes, perdes a coragem, como se ainda houvesse tempo.

sábado, 5 de dezembro de 2009

O meu namorado























É forte e salta do 3º andar.

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Gosto de...

















Árvores, Céus e Pássaros.

contador gratis