domingo, 5 de julho de 2009

"Minha cuôisa bóua"...



















... Já tem nome. Começa por W.

2 comentários:

Maria João disse...

"Começa por W" e é lindo! Apetece agarrar esta "coisa" amarela.

A propósito: todas as "coisas" (mas o W não é coisa...) que são amadas têm alma, não acha? Lembrei-
-me, agora, de um homem que, na periferia de Roma, andava sempre à procura de bonecas no lixo.
Um dia, na "estrada das bonecas", alguém o viu com um ursinho peludo nas mãos e lhe perguntou por que é que pendurava bonecas e outros brinquedos velhos nas árvores.
-Os brinquedos não têm alma, quando saem das fábricas. - respondeu ele - Mas quando uma criança começa a gostar deles, logo pedacinhos da alma daquele que o ama vão instalar-se dentro do plástico e transformá-lo em matéria viva. Nessa altura, deixa de ser possível deitá-los fora, mesmo que, entretanto, se tenham estragado ou amolgado. É por isso que eu os vou recolhendo, um pouco por toda a parte, e os faço continuar a viver nas árvores, entre as flores, ao sol e à chuva.

Um abraço
Maria João Oliveira

Suzanna disse...

O Wesir é tão "coisa" quanto eu.
Aqui as "coisas" não são apenas objectos grandes e pequenos, orgânicos e não-orgânicos.
As mãos, os pés, os olhos, por exemplo, que também aqui aparecem, serão meras coisas-partes do nosso corpo humano? Ou já exprimem todo o código desse corpo, absolutamente singular?
Aqui as "coisas" vibram como parte do Todo, albergando e sendo-O.
Eu própria sou uma cuôisa simples e uma cuôisa bóua e não há volta a dar-lhe ;), pelo menos enquanto a Alma não me resgatar por inteiro. E algo me diz que vai ser muito bom.


Bem haja, Maria João, pela visita e pela partilha de tão terna história!


Abraç*


contador gratis