domingo, 25 de janeiro de 2009

meu quase-diário, minha-casa-palavra











Um habitáculo feito de palavras que edificam ou re-edificam, que não se ousam partilhar, mas que têm de sair pelas frestas, pelos poros deste edifício que carrego.


Quando o turbilhão é imenso e os outros abrigos não protegem, é aqui que paro, sem conseguir parar.









eU

4 comentários:

Anónimo disse...

Thank you, my dear. I just write waht I feel.

Um beijo munto gande para ti.

Também gosto muito do que escreves.

Kiss you

Sara disse...

Este computador...enfim...
Sabes que é a sara.

beijoO FORTE

Suzanna disse...

Yes, my dearest.* As tuas palavras respiram-te* Inconfundíveis.

Cainha disse...

letra bonita, escrita arrumada ... tão diferente da minha e dos blocos que me acompanham

:)


contador gratis