segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

:-)


(Constância)

Há terra que se aninha na terracotta e na pedra. Depois há uma sementinha mais perseverante que consegue chegar mais alto. Depois há "boas-noites" que se abrem ao dia e fazem esboçar sorrisos simples.
Depois não sei.





Suzanna "Telhúrica"

Ars Efemera

Quando de palavras monocromáticas e sensaboronas andam as bocas cheias, nada como uma instalação (sim, mais uma) 100% caseira e comestível para nos reactivar os sentires e os ânimos e nos fazer esquecer a sensaboronice das rotinas e das "crises".




(Atente-se nas gambas semidesnudas-semifritas, na subtil-negligeé raspa de laranja a dançar com o Parmigiano-Reggiano camuflado, apenas em forma, na linguini serpenteante nos sucos ai frutti di Mare... Ai.)


(Repare-se na cadência das nozes entre e ao sabor da integralidade da massa...)

Claro que se admitem uns tantos "hmmmnnnnn" enquanto se mastiga; mas, enfim, não se trata, propriamente, de palavras... São sons que integram a instalação que o artista-quereria-ele-apenas-ser-efémero, sabiamente, já previa.
E a conversa até pode ser da treta ao Barack Obama, mas os sentidos - pelo menos os meus - esses estarão sempre mais empenhados em devorar arte...

É. Eu tenho destas coisas.




Obrigada!






Suzanna, toujours gourmande

Talvez


(na minha casa)

... apenas seja necessário o Silêncio.




eU

domingo, 28 de dezembro de 2008

Detalhe




... desfocado de um vestido de fada.

quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

Arrepio



Neste Natal há uma menina de 4 anos que pediu ao menino Jesus e ao Pai Natal (sim, a ambos) um vestido de Fada-da-Natureza. A mesma menina percebeu, à sua maneira, que a mãe não vai ter o seu contrato renovado a partir de Fevereiro e disse:
"Não podem tiar o tabaio à mina mãe.... Ela pexixa de dineio pa-a compar comida!".

Neste Natal, Menino-Jesus-todos-os-anos-renascido-que-mais-mês-menos-mês-serás-crucificado-por-nós,
eu acredito na lâmina da verdade e como, depois do corte, todos ficamos mais leves e, apesar da dor, mais inteiros.

A menina não precisava de saber, mas descobriu sem se querer e, se foi assim, então deve estar perfeito.

Neste Natal, anjos, guardiões, fadas, santos, devas, dríades, seres do Além e do aquém, com asas e sem asas, feiticeiros diários conscientes e inconscientes, a todos os que conhecem e desconhecem o Natal, a todos os que o vivem intensamente e a todos os que se borrifam, ofereço-Vos este arrepio. É portentoso. Só quem tem carne e é imperfeito o sente.

É... Partilho conVosco um arrepio. O arrepio de me sentir viva, aqui. É o mundo imperfeito onde eu, ocasionalmente, também nasci, num dia qualquer, e também renasço a cada momento, apenas porque assim o desejo. Nada é definitivo. Nem a própria morte. E eu estou diferente neste Natal.
Senti comigo este arrepio de Ser-aqui, feito de alma e de carne.
É a minha prenda com asas brancas.

Neste Natal, algures, a Luz faz sombra. Mas não faz mal. Será também um Natal mais cromático, mais inteiro. Como nós.

Ah, e a menina vai ter o seu vestido...



um Abraç* arrepiado




SuzaNatal

quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Ressuscitando


(Porto - Torre dos Clérigos)


(...)

Ressuscita a cidade
Resgata-a do mijo nas esquinas
e do medo do escuro
Sobe à Torre dos Clérigos
De vertical tão puro

(...)





Suzana Guimaraens

Herzlicher Dank!


(Porto-Gaia)

Laço-Kitsch


(Porto by night)

Há laços que enlaçam
mas não abafam
Há laços que nos soltam e abraçam
que nos lançam no incomensurável universo das coisas vistas e por ver

raízes de organza e seda de um vaso maior
que se nos estendem e nos entendem
e fazem crescer

Há laços de arame farpado
que estrangulam até o silêncio
e só conjugam o verbo morrer.



eU

terça-feira, 16 de dezembro de 2008

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

"road to nowhere"....


(Figueira da Foz)



.... or is that the Sea I see?




eU

Mighty Roots


(Could it be anywhere?)

They will always be there,

even when you forget about them

or deny their existence...



eU

Aguardemos...


(Porto - Batalha)




eU

22 - Carmo


(Porto)

Um dia destes, apanho-te...




eU

quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

Homenagem


(Tomates brasileiros da Quinta da Tia Cândida)




Depois, comi-os... Contra os meus princípios, com bastante açucar.





SuZannah

Obrigada, Zira!


(Quinta da Tia Cândida)

Deeper


(Parque Biológico de Gaia)

I need deeper. So much deeper.




SuZannah

terça-feira, 2 de dezembro de 2008

Hera e não Era


(Parque Biológico de Gaia)



Sou e não sou



SuZanna

Vazio o banco...


(Parque Biológico de Gaia)



Estava vazio o banco sob a "Árvore dos Sonhos".

Um grande livro aberto...




SuZanna, em aberto

ConSensações


(Parque Biológico de Gaia)



SuZanna

contador gratis